quarta-feira, 28 de setembro de 2011

A espada era a lei


Ano de estreia:1963.
Dirigido por : Wolfang Reitherman.
Produzido por : Walt Disney.
Argumento de : Bill Peet, baseado no livro “A espada era a lei” de T. H. White.
Musicas de : Robert e Richard Sherman.

Elenco:
Rickie Sorenson – Artur (Verruga).
Richard Reitherman – Artur (Verruga).
Robert Reitherman – Artur (Verruga).
Karl Swenson – Merlín.
Marha Wentworth - Madame Min.
Junius Mathews – Arquimedes.
Sebastian Cabot - Sir Ector.
Norman Alden - Sir Kay.
Alan Napier – Sir Pelinore.

História:
Há muito tempo atras numa altura bastante difícil, a Inglaterra ficou sem rei. Os monarcas começaram guerras para decidir quem seria o próximo a governar. A situação parecia difícil até que um dia, um raio de luz mágica iluminou uma bigorna que estava numa pedra, no pátio duma igreja em Londres. E desse raio surgiu uma espada cravada na bigorna que, em letras de ouro, dizia assim: “Quem conseguir arrancar esta espada desta pedra e desta bigorna, será coroado legitimo rei de Inglaterra”. Depois disso, as pessoas não paravam de falar do incrível objecto. Vieram cavaleiros de todo o lado, para tentarem arrancar a espada da bigorna, mas nenhum conseguiu. A espada caiu no esquecimento, mas as pessoas esperavam que aparece-se um rei. Artur, mais conhecido por Verruga, é um rapaz órfão de 12 anos, que foi adoptado por um cavaleiro chamado Sir Ector, quando era bebé. Desajeitado, inteligente e trabalhador, Artur sonha tornar-se o escudeiro do seu irmão adoptivo mais velho, Kay. Um dia, Artur acompanha Kay numa caça e distrai sem querer o seu irmão fazendo com que ele perca uma flecha que disparou. Artur vai buscar a flecha, e conhece um velho feiticeiro chamado Merlín e a sua coruja que fala, Arquimedes, que são do futuro. Merlín foi ao passado para encontrar um rapaz que vai ter um futuro brilhante, e ensina-lo algumas coisas sobre a natureza. Artur é esse rapaz, apesar de não acreditar que vai ter um futuro melhor do que escudeiro. Merlín e Arquimedes mudam-se para o castelo do Artur, que começa já as suas lições. Nas suas aventuras, Artur transforma-se em animais, aprende mais sobre eles e também alguns conselhos de Merlín. Até assiste a um duelo de feiticeiros entre o Merlín e a sua inimiga, uma velha bruxa chamada Madame Min. Quando chega um torneio na cidade de Londres, Artur, já um escudeiro, esquece-se da espada de Kay numa estalagem, ao tentar procurar outra, ele vé a espada cravada na bigorna e tira-a como se estivesse presa na manteiga, sem saber sobre a lenda. Quando os habitantes descobrem que ele tirou a espada, Artur é coroado rei.

Curiosidades:
- É o 1º filme da Disney a ser dirigido só por uma pessoa. Os filmes anteriores da Disney eram dirigidos por 4 ou 3 pessoas, ou por uma equipa de realizadores de sequências.
-É o primeiro filme da Disney a ter canções dos irmãos Sherman. Eles, mais tarde, compuseram as canções de “O livro da selva”, “Os Aristogatos” e “As extras aventuras de Winnie the pooh”.
- O argumentista Bill Peet baseou-se no nariz de Walt Disney, para criar o personagem Merlin.
- Na versão original do filme, Artur é interpretado por 3 actores diferentes. Foi posto isso para mudar a voz dele quando ele fica triste, ou normal,. Dá para repara nisso, na última cena do filme, quando ele diz na sua voz mudada, “Oh, Arquimedes, eu gostava que o Merlin estivesse aqui para me ajudar”, e na sua voz não-mudada “Merlin! Merlin!”.
- A cena da luta de feiticeiros é considerada uma das melhores cenas já feitas pelos animadores, de acordo com os peritos da animação. Na cena, Merlin e Madame Min transformam-se em diversos animais. Para distingui-los, da para reparar na cor azul do Merlin, na sua barba, no seu bigode e nos seus óculos, na cor roxa ou cor-de-rosa da Madame Min, e o seu cabelo roxo despenteado.
-Ambos os 3 actores que fazem de Artur falam com sotaque de Brooklyn, ao contrário dos outros personagens que falam com sotaque inglés.

Comentário do Autor:
Conheci este filme através de um livro que tenho e vi o filme numa cassete. Apesar de não me lembrar muito do filme, só me lembrava de algumas cenas. Só vi, alguns anos mais tarde, em português de Portugal, na internet, e adorei.
Acho piada ao duelo de feiticeiros.

Sem comentários:

Enviar um comentário